Grupo N’golo

O Grupo de Capoeira Angola N’golo foi fundado no ano de 1991, no município de Nova Iguaçu, pelo Mestre José Carlos. O N’golo na sua formação contou com o apoio de alguns colegas capoeiristas, além de vários alunos, que juntos com o Mestre José Carlos vem mantendo as atividades do grupo.

O nome, “N’golo” foi idéia de Dª. Rosemary, esposa do Mestre José Carlos. Esta escolha se deu por ser desta maneira chamado um ritual das tribos africanas de Angola, baseado no rito de acasalamento das zebras, que era realizado pelos jovens dessas tribos, onde aquele que se mostrasse mais hábil poderia escolher aquela com a qual iria se casar. O N’golo no Brasil, entre os negros trazidos escravos originou, no interior das senzalas, a capoeira angola. Sendo assim, tendo em vista a intenção do grupo de preservar e resgatar as tradições dessa capoeira, figurou-se no mais adequado nome para evidenciar a nossa proposta de trabalho e identificação com o mesmo.

Atualmente o Grupo de Capoeira Angola N’golo passa para os seus adeptos a filosofia de vida da Capoeira Angola, sua vitalidade e equilíbrio; o conhecimento histórico e teórico; o ritmo do berimbau, e as cantigas que fundamentam o ritual do jogo da capoeira.

A Capoeira Angola, na sua tradição secular, teve suas características de jogo-luta articulado à arte-cultura aperfeiçoadas no seio dos arranjos quilombolas dos negros fujões na época do Brasil Colônia. Sua prática transitou através dos séculos. Durante a escravatura ela simbolizou a resistência do povo negro à dominação do colonizador e uma das maneiras desse povo de preservar sua identidade cultural. Sofrendo transformações durante o tempo, a capoeira resistiu ao controle social da administração colonial, do Império e posteriormente do Estado Republicano. Sua prática se dava nas ruas dos grandes centros metropolitanos, principalmente, nas cidades de São Salvador (Bahia), São Sebastião do Rio de Janeiro (Rio de Janeiro) e Recife (Pernambuco).

Em Salvador, no início deste século, Mestre Pastinha, foi um grande praticante da Capoeira Angola que organizou a capoeiragem. Ele criou uma academia onde ensinava; escreveu livros, gravou discos de capoeira e viajando para vários lugares, divulgou a Capoeira Angola. Pastinha, mesmo em idade avançada, era um adversário difícil para os capoeiras mais jovens que penavam bastante para conseguir jogar com ele.

Através de Mestre Pastinha a capoeira angola ganhou toda a sua organicidade. Na sua academia, fundada em 1941, na ladeira do Pelourinho, nº19, formou muitos mestres de capoeira. Seus discípulos que deram continuidade ao seu legado em várias partes do Brasil e do mundo.

Pedro Moraes Trindade, o Mestre Moraes, por um certo tempo foi um dos discípulos de Pastinha, sendo que, a maior parte do seu legado, veio através do Mestre João Grande, que na época do seu ingresso na academia do saudoso mestre era quem ministrava as aulas. Nos anos 70, Mestre Morais veio para o Rio de Janeiro ensinar Capoeira Angola. No período de 12 anos em que aqui ficou, formou os contramestres Lumumba e Peçanha sendo o último de paradeiro desconhecido. Morais formou também os mestres Marco Aurélio, Braga, Neco e José Carlos – fundador do Grupo de Capoeira Angolo N’Golo. Esses mestres atualmente são comprometidos com o resgate e preservação da Capoeira Angola.

O Grupo de Capoeira Angolo N’Golo se reune atualmente no:

MERCADO DAS PULGAS (veja Mapa!)
Rua Almirante Alexandrino – Largo dos Guimarães
Santa Teresa, Rio de Janeiro RJ
Segundas e Quartas das 19:30 às 22 h
Segundas e Sextas das 9 às 11 h
Sábados das 10 às 13 h

Crianças: Segundas e Quartas das 18 às 19:30 h

Para Saber Mais…

Sobre a Capoeira Angola e sobre o Grupo de Capoeira Angola N’Golo, entre em contato:
Tels (21) 3770-7256 ou (21) 99796-5896, ou por e-mail: [email protected]

Apostila (link)

Documento MS Word Apostila (versão MS Word)

%d blogueiros gostam disto: